quinta-feira, 19 de julho de 2007

A diferença entre o Sábio e o Inteligente


Estamos de volta num mar repleto de discussão, comentários, teses, ilações, declarações, pesares, revoltas, indignação e interesses. Como não ficar alheio a essas questões? Como não se deixar levar pela onda do senso comum? Como ser o contra ponto de interesses obscuros, que afloram oportunamente em situações como essa? Acredito que o melhor caminho continua sendo o de usar o bom senso. Otimizar o uso da massa encefálica com os instrumentos culturais recolhidos ao longo da vida. Só assim é possível conseguir se distanciar da imbecilidade coletiva. Podendo estar carregadas de interesses ou não. Outro dia, conversando com alguém do meu apreço (não posso revelar quem é, né?!) perguntei o que ele achou da perda do sinal da RCTV na Venezuela. Ele me veio com essa; “- Aquele Hugo Chavez é um idiota”. Bom, momentos antes, conversando com outra pessoa da qual tenho esse mesmo apreço, questionei-a se gostava de ler e qual foi o último livro que ela leu. Respondendo-me, a outra pessoa que manifestou sua opinião sobre o Presidente da Venezuela, interrompeu-nos com essa; - “- Não consigo ler nada. O máximo que consegui ler foi quando fiquei sem internet por alguns instantes. Li duas páginas de um livro. E quando voltou a conexão, baú, bau; fechei o livro na hora.” Esse tipo de comportamento, em relação a leitura, não é raro. É mais comum do que imaginamos. A maioria das pessoas se abdicou da oportunidade da leitura, que é uma atitude que contribui para o enriquecimento cultural, que posteriormente pode ser usado para fazer reflexões sobre o meio em que vive. Que interage.
Fazer análises ou reflexões a respeito de coisas simples é fácil, indolor e não traz nenhum incômodo. Mas tentar fazer a mesma coisa em relação as situações que acontecem ao nosso redor, que envolve poréns, não é para qualquer um. Está sujeito a erros do que a pessoa que garantiu os instrumentos culturais necessário para poder usar sua capacidade de pensar e viver plenamente. A leitura é apenas um instrumento para o enriquecimento cultural. Cinema, teatro, museus, músicas, entre outras coisas, são outras opções desse tipo de enriquecimento. Sem a Cultura nos tornamos vítimas de toda e qualquer situação de interesses. Ter essa prerrogativa, de se instrumentalizar com Cultura pode nos preparar para receber o bombardeio de informações que nos chegam pelas tvs, revistas, jornais e internet. E assim podendo opinar, de forma consciente e com sabedoria. Cultura tem há ver com sabedoria. Observem essa reflexão que encontrei na internet;

“Inteligência é a capacidade de assimilar e entender os fatos, enquanto a sabedoria é a capacidade de utilizar os conhecimentos adquiridos para solucionar problemas.”

Nenhum comentário: