terça-feira, 3 de novembro de 2009

Wagner Gomes, presente! Agora e Sempre

Wagner Gomes testando microfone no antigo estúdio da Rádio Excélsior com Alex Guru, durante o programa "Essa é que é a verdade"

Nos deixou neste final de semana Wagner Gomes. Faleceu aos 64 anos, vítima de um infarto na cidade de Monguaguá, onde havia viajado com a família.

Incansável lutador pela radiodifusão, Gomes foi um radialista atuante e muito consciente pela luta de classe. Ao participar ativamente no final dos anos 80 da campanha salarial da categoria e por iniciar a organização de uma associação de classe dos radialistas, foi demitido e preterido do meio radiodifusor. Mesmo sendo um profissional com larga experiência e reconhecidamente como um excelente comunicador, o empresariado de radiodifusão o esqueceu. Wagner Gomes não desistiu, com o advento da radiodifusão livre, ajudou a implementar uma rádio comunitária em Turiúba, com o apoio daquela prefeitura. Ficava a semana inteira fora, longe da família para garantir o sustento da casa e viver o seu sonho. Gostava muito do rádio. Após a iniciativa de conseguir a implementação da rádio em Turiúba, começou então a lutar para implantar em Araçatuba uma rádio comunitária. Dizia que seria uma rádio diferente. Onde deveria dar espaço para aqueles que não tinham. Para os radialistas que já não estavam mais no ar. Na verdade Wagner queria realizar a expressão máxima daquilo que viveu; com as portas fechadas por várias emissoras de Araçatuba, reclamava inclusive que as encontrava fechada em outras cidades. Deixavam-no de contratar por fofoca da direção de empresários radiodifusores, relatava.

Com muitas indas e vindas e apoio de diversas pessoas conseguiu finalmente a concessão da Rádio Excélsior FM 104,9. Confidenciou-me um tempo depois que chegou a receber a proposta de R$ 150.000,00 de Carlos Hernandes, empresário de radiodifusão, para tocar a emissora em parceria com ele. Informou ao empresário que iria pensar e numa breve oportunidade lhe daria a resposta. Não deu. Disse-me, naquele momento, que lembrou dos momentos em que se dirigia à empresa de Hernandes (Rádio Difusora AM) e o mesmo o recebia com pouco caso. "Chá de cadeira foi o que recebi", declarou-me. Quando não, recebia respostas evasivas em relação a poder trabalhar na emissora do empresário, diretor da emissora.

A iniciativa de Wagner Gomes, em trazer uma emissora de rádio comunitária para Araçatuba e que, vivesse essa liberdade a ponto de não preterir ninguém de manifestar-se "nas ondas" da Excélsior FM, coroa, fielmente, o espírito da radiodifusão comunitária nela. Sua negativa, ao não responder a proposta financeira, em fazer parceira com o empresário, a despeito dos valores discutidos, só demonstra sua firmeza de caráter e o compromisso que esse companheiro tinha com a democratização dos meios de comunicação.

Sem o seu sonho e sua dedicação, talvez Araçatuba não estivesse vivendo novos ares no meio radiofônico. Segundo a imprensa, sua filha retoma seu trabalho. Esperamos que mantenha o espírito comunitário da emissora, que era o sonho de seu pai.

2 comentários:

blogdozemarcos.com disse...

::: Sinto muito pela perda, Werneck. Não conheci pessoalmente o Wagner. Aliás, conheci rapidamente em um entrevista recente que dei ao Claudinho na emissora, mas não conversamos. Espero que sua filha possa levar adiante o sonho do pai.

Joaquim Carvalho disse...

A ABRAÇO Centro-oeste compartilha a dor da perda dos companheiros e deseja muita força nesta hora de sofrimento. Postamos a matéria em www.abracocentrooeste.ning.com ABRAÇO FORTE