quinta-feira, 15 de abril de 2010

Imprensa ou partido político?



Não é de hoje que acompanhamos pela mídia o processo indecoroso de transformação dos meios de comunicação em partido político. A imprensa é um setor nebuloso, contraditório, pois traz pra si o direito ilanienável de poder fazer críticas, mas não as aceita. Critica governantes que não podem estar acima da Lei, mas se considera como tal. E tudo isso acontece de maneira obscura, nas entrelinhas. Não assumem, de maneira esplícita esse papel de partido político que põe em risco a credibilidade de um jornalismo que deveria ser ético e lastreado na verdade.


Abaixo podemos ver um artigo centrado e muito sensato de Luciano Martins a respeito de novo papel da imprensa. Ele escreveu para o Observatório da Imprensa e que na qual reproduzo aqui.


Os destaques em negritos são por minha conta.



Imprensa versus governos

Por Luciano Martins

O novo ataque do presidente da República aos jornais que qualificou de tablóides, feito durante solenidade em Brasília, provocou editoriais, artigos, declarações e pouca ou nenhuma contribuição para evitar o desastre que se avizinha: um provável rompimento entre o Executivo e a imprensa.

O presidente Lula da Silva se queixa freqüentemente, e voltou a faze-lo na solenidade de quarta-feira, de que a imprensa, ou parte dela, tem grande predileção pela desgraça.

E de que cobre os atos do governo federal com má-fé.

Citou, como exemplo, o que considera mau jornalismo: o governo constrói duas mil casas, nada sai nos jornais, mas se desaba um barraco, noticia-se que caiu uma casa.

Os jornais usam o discurso do presidente para reafirmar que ele sofre de “devaneio autocrático”, conforme o editorial da Folha de São Paulo, e que não tolera receber críticas.

O presidente claramente demonstra exagerada necessidade de aprovação por parte da imprensa, suas alianças políticas são fonte permanente de más notícias, mas a afirmação do editorial carece de maior fundamento.

A Folha chega a publicar uma lista de entreveros de Lula com jornalistas, ou de declarações, que, segundo o jornal, descrevem sua relação conflituosa com a imprensa.

São apenas sete ocorrências em seis anos e os exemplos escolhidos não refletem necessariamente um estado de conflito permanente, mas um rol de episódios que poderiam ser considerados corriqueiros na vida de qualquer governante.

A situação pode remeter ao período vivido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu segundo mandato.

A imprensa cobrava obcecadamente mudanças na economia, principalmente na política cambial.

Quando finalmente o governo, após a reeleição do então presidente, desvalorizou o real, as críticas se renovaram, desta vez pelo motivo oposto, e o Brasil passou meses assombrado por avisos de retomada da inflação, alimentados pelos jornais.

No mesmo período, o voluntarismo de alguns repórteres, com base em vazamentos de inquéritos promovidos por representantes do Ministério Público, criou um inferno de acusações contra o então secretário-geral da Presidência, Eduardo Jorge Caldas Pereira.

Desde 2006, Eduardo Jorge vem colecionando uma série de vitórias na Justiça contra seus detratores.

Guerra declarada

É papel da imprensa fiscalizar o poder público – todos os poderes –, desconfiar em princípio de negócios envolvendo governos – todos os governos –, fazer as perguntas que ninguém quer ouvir.

E cobrar as respostas.

Mas esse espírito precisa estar impregnado no fazer jornalístico, e deve ser praticado naturalmente em todas as relações da mídia com as instituições.

O risco da relação conflituosa entre governantes e a imprensa é o estabelecimento de um estado permanente de guerra, que certamente deprecia a imprensa e municia aqueles que, em qualquer instituição pública ou partido político, alimentem sonhos de controle do jornalismo.

Como a política nacional tem mais visibilidade, escapa aos observadores o fato de que também nos Estados há constantes problemas de relacionamento.

Há governadores se queixando de má vontade ou partidarismo por parte dos jornais.

E há partidos oposicionistas denunciando a adesão total da imprensa a governos locais.

Os jornais sempre reagem denunciando ameaças de censura.

Mas, atenção: é preciso atentar para a abissal diferença que existe entre a censura institucional à imprensa e o controle social dos meios de comunicação.

Apesar dos esperneios de dirigentes de empresas jornalísticas, a liberdade da imprensa não corre o menor risco no Brasil.

O risco maior para a imprensa vem da própria imprensa, quando os jornais se associam para agir como um partido político.

E quem faz essa revelação é a própria presidente da Associação Nacional dos Jornais, Maria Judith Brito, conforme já foi observado aqui por Alberto Dines: em encontro realizado em São Paulo, a presidente da ANJ declarou textualmente, segundo o Globo: “A liberdade de imprensa é um bem maior que não deve ser limitado. A esse direito geral, o contraponto é sempre a questão da responsabilidade dos meios de comunicação”, acrescentou, e até aí tudo bem. Mas ela continuou: “E, obviamente, esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada. E esse papel de oposição, de investigação, sem dúvida nenhuma incomoda sobremaneira o governo.”

Intrinsecamente contraditória, a declaração estabelece a ruptura, afeta a credibilidade da imprensa e traz insegurança a todos os governantes, pois tal afirmativa serve também aos governos estaduais e dos municípios onde a oposição estiver fragilizada.

Tal distorção – imprensa declaradamente partidária – independe de quem está no poder, uma vez que os jornais se assumem publicamente como partido político.

Quando a imprensa abandona seu eixo, todos saem perdendo. Principalmente a imprensa.

2 comentários:

Ventura Picasso disse...

'O pensamento parece uma coisa atoa', mas lembro que a imprensa era considerada o quarto poder. Velhos tempos que não voltam mais. A defesa do direito de informar, a luta contra a censura, hoje, não passa de uma tese cínica. A imprensa não corre o menor risco de ser censurada, porém há uma nova tecnologia de comunicação que consiste em censurar. A imprensa censura o que bem entende. E nós, onde poderemos denunciar esse abuso?
Será que do quarto poder, a imprensa, defendendo seus interesses, ajuntou-se ao grupo que lhe promete algumas vantagens desconhecidas?

kid disse...

A imprensa hoje, salvo honrosas excessões, se transformou num monstro esquisofrênico a reclamar da própria sombra.

Kid
http://criticcidade.wordpress.com/