terça-feira, 31 de março de 2009

Ataque contra Brizola: SNI e Globo, tudo a ver!


Acompanhamos, mais uma vez, as tentativas de nossa mídia burguesa em atacar algumas referências históricas que não fazem parte de seu saco ideológico, reacionário e conservador. Leonel Brizola foi assunto de primeira página no Jornal O Globo, pertencente a família Marinho. Essas informações consegui encontrar no blog de Rodrigo Vianna na qual reproduzo seu post, logo abaixo.





Por Rodrigo Vianna


Não chega a surpreender. Mas não pode passar sem registro o ataque covarde de "O Globo" a Leonel Brizola, na edição deste domingo (29 de março de 2009).

A manchete do jornal da família Marinho é: "SNI: Brizola e Cesar recebiam propina de empresas de ônibus".
O ex-governador já não está aqui pra se defender. Durante anos, como se sabe, ele travou uma batalha quixotesca contra o império dos Marinho. Era atacado, revidava, nunca se dobrou. Em 1994, o "Jornal Nacional" teve que publicar um direito de resposta histórico, lido por Cid Moreira - http://www.youtube.com/watch?v=F7x_8ZsOqvM. Quinze anos atrás, Brizola falava pela boca do locutor pago pela Globo. Agora, os filhotes de Roberto Marinho atacam o líder trabalhista já morto, usando pra isso arquivos do SNI. Faz todo sentido. A velha dobradinha está de volta: SNI e Globo, tudo a ver! Se eu fosse do PDT, pedia direito de resposta, só pra ver a primeira página de "O Globo" invadida pelo ex-governador, como se fosse um fantasma a assombrar os filhotes de Roberto Marinho. Durante toda a semana, o jornal carioca trouxe reportagens baseadas em documentos encontrados nos arquivos do SNI (o serviço de informações mantido pelo militares, durante a ditadura). Mas, os Marinho guardaram para domingo a paulada contra Brizola. Muito corajosos esses filhos do Roberto Marinho: atacam um morto na manchete... E, só pelo meio do texto, é que aparece a informação: "os relatórios não apresentam provas e não indicam ter originado investigações formais, mas são categóricos nas acusações". Hum... Mais adiante, uma frase típíca do jornalismo praticado sob os auspícios de Ratzinger - o agente das trevas do jornalismo global: "de 1982, quando foi eleito numa eleição marcada por suspeitas de fraudes, a 1986, quando passou o cargo ao desafeto Moreira Franco, Brizola foi citado em 1.460 dossiês do SNI". "Eleição marcada por suspeitas de fraudes", diz "O Globo". O jornal dá a entender que fraudes teriam favorecido Brizola na histórica vitória de 1982 (quando chegou ao governo do Rio numa campanha heróica, sem dinheiro, sem máquina partidária, feita no gogó e na raça). O que ocorreu foi o contrário. Tentaram garfar a vitória de Brizola na apuração, no famoso "Escândalo Proconsult".

A TV Globo, na época, foi acusada de divulgar os dados da apuração que favoreciam o candidato da casa, Moreira Franco, e não Brizola. O ex-governador usou os microfones da "Rádio JB" pra desmascarar a fraude.
"O Globo", claro, não conta nada disso na "reportagem" deste domingo. Paulo Henrique Amorim escreveu um livro sobre o caso. Segue a tentativa de reescrever a história do Brasil. Ratzinger- o agente das trevas do jornalismo global - já tentou provar que a cobertura da TV Globo, na campanha das dIretas, foi correta. He, he... Só rindo. Humildemente, aqui, faço minha parte. Relembro que Brizola era um democrata. Do outro lado, estavam a Globo e a ditadura. Brizola era um tipo raro, que ousou defender a democracia de armas na mão. Em 1961, quando os militares tentaram impedir a posse de João Goulart, Brizola se entricheirou no Palácio Piratini (sede do governo gaúcho), e organizou a "Cadeia da Legalidade" (rede de emissoras de rádio, pelas quais convocou a população a defender a ordem democrática, em discursos históricos). Os militares nunca perdoaram Brizola pela afronta. Por isso, o SNI tinha todo interesse em manchar sua biografia.
Tão preocupada em recuperar a memória do Brasil - de forma seletiva, evidentemente - a turma de Ratzinger e da família Marinho podia aproveitar o próximo dia primeiro de abril para republicar o histórico editorial de "O Globo", em defesa do golpe de 64. Não vão publicar? Então, deixa que a gente mostra aqui na internet - http://www.viomundo.com.br/contraponto/primeiro-de-abril-segundo-o-globo-nascia-um-paraiso-no-planeta/ Brizola tinha razão em chamar essa gente de "filhotes da ditadura" Filhotes que seguem fiéis à velha parceria: "Roberto Marinho e ditadura, tudo a ver".

Nenhum comentário: