quarta-feira, 29 de abril de 2009

Eduardo Galeano, escritor uruguaio


Não foi a toa que o presidente da Venezuela Hugo Chávez presenteou o presidente dos Estados Unidos Barack Obama com o livro As Veias Abertas da América Latina de Eduardo Galeano. Além de ser pertinente a postura do governo americano ao longo da história no continente, Eduardo Galeano é um dos poucos escritores que escreve com profundidade sobre o continente. Sua obra é conhecidíssima em diversos países da América Latina e seus artigos são publicados em diversos jornais e revistas, mas muito pouco aqui no Brasil. O artigo de Emir Sader aborda um pouco esse assunto. Leia a seguir;


Carta Maior também dá Galeano de presente. Quem ganha são seus leitores. O Brasil é dos poucos países em que os artigos de Galeano não são publicados regularmente na imprensa – apesar de ele ser o melhor escritor latino-americano contemporâneo. De tempos em tempos, podemos ler seus textos em livros que os reúnem. Recolheremos ao longo deste ano textos dos três últimos – "De pernas pro ar", "Bocas do tempo" e "Espelhos" – todos publicados no Brasil pela LP&M. Hoje começamos com textos do primeiro deles.

Educando com o exemplo

A escola do mundo ao avesso é a mais democrática das instituições educativas. Não requer exame de admissão, não cobra matrícula e dita seus cursos, gratuitamente, a todos e em todas as partes, assim na terra como no céu: não é por nada que é filha do sistema que, pela primeira vez na história da humanidade, conquistou o poder universal.

Na escola do mundo ao avesso o chumbo aprende a flutuar e a cortiça a afundar. As cobras aprendem a voar e as nuvens a se arrastar pelos caminhos.

Os alunos

Dia após dia nega-se às crianças o direito de ser crianças. Os fatos, que zombam desse direito, ostentam seus ensinamentos na vida cotidiana. O mundo trata os meninos ricos como se fossem dinheiro, para que se acostumem a atuar como o dinheiro atua. O mundo trata os meninos pobres como se fossem lixo, para que se transformem em lixo. E os do meio, os que não são ricos nem pobres, conserva-os atados à mesa do televisor, para que aceitem desde cedo, como destino, a vida prisioneira. Muita magia e muita sorte têm as crianças que conseguem ser crianças.

Curso básico de injustiça

A publicidade manda consumir e a economia o proíbe. As ordens de consumo, obrigatórias para todos, mas impossíveis para a maioria, são convites ao delito. Sobre as contradições de nosso tempo as páginas policiais dos jornais ensinam mais do que as páginas de informação política e econômica.

Este mundo, que oferece o banquete a todos e fecha a porta no nariz de tantos, é ao mesmo tempo igualador e desigual: igualador nas idéias e nos costumes que impõe e desigual nas oportunidades que proporciona.

Pontos de vista /1

Do ponto de vista da coruja, do morcego, do boêmio e do ladrão, o crepúsculo é a hora do café-da-manhã.

A chuva é uma maldição para o turista e uma boa noticia para o camponês.

Do ponto de vista do nativo, pitoresco é o turista.

Do ponto de vista dos índios das ilhas do Mar do Caribe, Cristovão Colombo, com seu chapéu de penas e sua capa e veludo encarnado, era um papagaio de dimensões nunca vistas.

Um comentário:

Anônimo disse...

para mais leitura

http://livrodeeduardogaleano.blogspot.com/