quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Consensos e polêmicas da esquerda



Companheirada, procurei o vídeo do debate de ontem  a noite, dos candidatos de esquerda à presidência da república e que foi promovido pelo jornal Brasil de Fato, mas não encontrei. Achei somente uma chamadinha para o debate no youtube, numa conta do Zé Maria 16. Postei lá minha indignação; uma coisa tão simples de fazer que era colocar o vídeo na internet, para aqueles que não conseguiram assistir e não fizeram. Como querem ter projeção ou quiçá, ganhar uma eleição assim?!
Mas pra compensar, reproduzo abaixo um artigo muito interessante. Quando o vídeo for postado na internet, disponibilizo os links para os vídeos.


Especialistas se dividem entre os que apontam uma eleição polarizada e os que a veem para manter o atual modelo




Eduardo Sales de Lima e Renato Godoy de Toledo
da Redação



Às vésperas das eleições presidenciais, o noticiário político está marcado apenas por desencadeamentos de denúncias contra membros do governo e do PT. A disputa de projetos políticos, se é que existia, ficou ofuscada pela maré de denúncias.

A quebra de sigilos de tucanos, a prática de lobby na Casa Civil e a consequente queda da ministra Erenice Guerra parecem terem tornado-se assuntos mais importantes do que a presença do Estado na economia, do que o modelo de desenvolvimento e a política internacional.


O Brasil de Fato ouviu representantes de movimentos sociais, militantes históricos da esquerda e intelectuais para discutir se nesta campanha houve espaço para a disputa de projetos e a demarcação política entre as diferentes candidaturas.

Também está em debate a perspectiva da esquerda e do quadro político após a saída do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o mais popular do Brasil redemocratizado. Não há uma visão consensual entre os entrevistados. Porém, é possível identificar duas “correntes” de pensamento. Uma aponta que há no processo eleitoral um antagonismo entre as candidaturas do PT e a do PSDB. O projeto da petista Dilma Rousseff representaria a integração regional e um Estado mais ativo na economia. Enquanto o do tucano José Serra apresentaria um retrocesso, com a volta do neoliberalismo total e o alinhamento aos EUA e às políticas de livre-comércio mais devastadoras.

No entanto, há quem aponte uma eleição sem diferenças políticas, ao menos entre as candidaturas de Dilma e Serra. Segundo tal visão, há uma simbiose entre os projetos de PT e PSDB que mantém a mesma política econômica que privilegia o setor financeiro. Nesse sentido, os principais candidatos disputam a preferência do eleitor tentando mostrar-se mais eficientes para gerir o modelo já instituído
.
 

Disputa política

Para o analista político Wladimir Pomar, equiparar os projetos de PT e PSDB era a intenção da candidatura Serra – e até de alguns aliados do PT e do próprio partido –, para deixar claro que não haveria disputa política na eleição. Assim, o tucano mostraria desde o início que pretendia apenas manter o que Lula vinha fazendo. “Essa situação começou a mudar quando a ascensão de Dilma na preferência eleitoral apontou para a possibilidade de vitória no primeiro turno. Ao mesmo tempo, constatou-se que uma parte da direita preferia Dilma a Serra. O editorial da Folha de S.Paulo, exigindo que a campanha do PSDB-DEM abandonasse o que qualificou de populismo, foi o chamamento a Serra para romper com a suposta identidade de projetos políticos e adotar uma linha de ataque que recuperasse essa parte da direita para o ninho tucano”, aponta Pomar.

A partir desse ponto, Serra passou a tomar atitudes mais à direita que evidenciaram suas diferenças com o PT. De acordo com o analista, no entanto, o tucano prefere não explicitá-las pois sabe que estas lhe trariam mais ônus eleitorais. “O projeto político do PSDB-DEM é a retomada da repudiada política de FHC. Colocá-la em debate apenas pioraria as coisas. Nessas condições, a virada na estratégia de Serra só poderia significar a criação de fatos políticos no estilo da velha UDN, dos anos 1950 e 1960, forjando escândalos de consistência duvidosa. Ataques subsidiários às políticas externa, econômica e social, e promessas de todo tipo, que deixam qualquer populista envergonhado, apenas mascaram o jogo truculento”, pontua.

Segundo Pomar, há uma intenção clara do PSDB e da mídia de tirar a política do centro do debate, pois isso não traria benefícios ao seu candidato. Mas, para ele, a candidatura petista também contribuiu para que a política não seja debatida. “Como a campanha Dilma se esforçou pouco em introduzir esse debate em maior profundidade, ela talvez tenha dificuldade em se contrapor à ofensiva da grande imprensa na medida do necessário. Para superar essa dificuldade, talvez precise combinar uma série de grandes atos massivos, com um discurso mais focado nas mudanças que darão continuidade aos avanços do governo Lula”, sugere.

O sociólogo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Emir Sader também acredita que haja projetos diferentes em disputa. “Dilma representa a integração regional, Serra, os tratados de livre comércio. Dilma, o modelo de desenvolvimento com distribuição de renda, Serra, o corte de recursos das políticas sociais. Dilma representa a retomada do papel indutor do crescimento e de distribuição de renda por parte do Estado, Serra, a diminuição do papel do Estado”, aponta.

“Convergência programática”

“Do outro lado”, especialistas defendem que há uma semelhança entre os projetos de Serra, Dilma e Marina Silva (PV), no tocante à política econômica e ao desenvolvimento social do país. Luis Fernando Novoa, sociólogo da Universidade Federal de Rondônia (Unir), o debate eleitoral não extrapola o campo dos interesses do setor financeiro. “O início dessa chamada 'convergência programática' começou nas eleições de 2002, com a conhecida 'Carta aos Brasileiros' que permitiu a eleição e a posse pacíficas de Lula. O programa permanente no caso é a somatória dos interesses intocáveis do sistema financeiro e das transnacionais, especialmente as que se beneficiaram com as privatizações das décadas anteriores”, afirma.

O sociólogo afirma que se a alteração dos rumos econômicos do país não é discutida, logo, não há um confronto de diferentes modelos. “Se a política econômica não é e nem pode ser objeto de discussão nas eleições, então não há disputa de fundo e sim a busca de maior eficácia do modelo. Por isso, Serra e Dilma, e mesmo Marina, se apresentam como gestores. A concorrência eleitoral tem se dado em torno da melhor gestão possível de um regime intensivo de acumulação de capital com base em recursos naturais e no rentismo financeiro sem limites”, opina.

Para Novoa, a era Lula é responsável pela consolidação desse modelo, que agora parece consensual entre as principais candidaturas. “O diferencial da era Lula é que foi nela que esse modelo se consolidou e ganhou base social de consentimento, ou seja, elevadas margens de rentabilidade com estabilidade econômica e social. Dilma é herdeira desse pacto feito em meio a anos de bonança e de aumento de escala das exportações, o que permitiu uma melhora relativa do poder aquisitivo de todos os estratos sociais, mesmo mantendo elevados níveis de desigualdade e concentração de renda. Não será exatamente esse o mesmo cenário para os próximos anos, quando irão se saturar as atuais margens de ganho, internas e externas, e se explicitarem as contradições sociais e ambientais desse modelo”, comenta.

Segundo o sociólogo, o que ocorre no Brasil não é uma exclusividade. O mesmo processo vem sendo observado em países vizinhos. Mas, no Brasil, há uma peculiaridade: o “jogo” foi exercido de forma equivocada pela direita tradicional que corre risco de vida após as eleições. “A política que interessa e que define nossas vidas, as políticas de intervenção econômica, foi retirada da agenda eleitoral. O mesmo ocorreu em países como o Chile e o Peru de forma muito clara. Nos países centrais, essa política de despolitização se estabeleceu desde os anos 80. No caso brasileiro, o denuncismo tem sido o último recurso das representações da centro-direita que se tornaram anacrônicas nesse quadro de pactação ampla liderado por Lula e pelo PT”, ratifica.


Quase imperceptível

Na visão de Roberto Malvezzi, da Comissão Pastoral da Terra (CPT), não há uma diferença nítida entre as candidaturas. “Se existe diferença nos projetos políticos dos candidatos, ela não é perceptível. Uma série de limites no tempo da mídia, de condições econômicas diferentes dos candidatos, além da multiplicação de fatos midiáticos, para falar o mínimo, fazem com que haja uma geleia geral. Há diferenças pontuais perceptíveis, mas não de projeto. Marina trouxe a questão ambiental, chave, mas não outro projeto”, ressalta.

O bispo de Jales (SP), Dom Demétrio Valentini, aponta que os candidatos menosprezam o eleitorado ao não entrar no mérito de questões estruturais da sociedade brasileira. “Os candidatos parecem descrer do interesse dos eleitores em debater projetos amplos para um país tão amplo e complexo como o nosso. A campanha é pobre de verdadeiros debates políticos. Ela se caracteriza muito mais em vender uma imagem positiva dos candidatos. Isto me faz pensar na urgência de uma reforma política em profundidade, pois este modelo de campanha eleitoral está esgotado, e cada vez mais desvirtuado”, aponta.

(Leia mais na edição 395 do Jornal Brasil de Fato)

Nenhum comentário: