domingo, 11 de maio de 2008

Programação de conteúdo nacional e de qualidade


É isso que esperamos no Projeto de Lei 29 que está no Congresso e que em breve entrará em votação. Muitos não sabem, mas essa iniciativa vem de encontro ao fomento de produções nacionais de programas de tv para canais por assinatura.

Quem não tem tv por assinatura talvez não tem a mínima idéia para que serviria uma lei exigindo programação mínima de conteúdo nacional. Mas quem tem, certamente está recebendo apenas uma campanha orquestrada pelas operadoras de Tv por assinatura, através de sua representante a ABTA. Que não quer que suas afiliadas se vejam obrigadas a exibir esse tipo de programação com um pouco mais de conteúdo nacional. Apresentam uma campanha demagógica nos canais de tv, jornais e revistas. Dizendo que isso tiraria a liberdade do telespectador escolher aquilo que quer. Já não chega o lixo cultural a que somos submetidos pelas produções estrangeiras nesses canais e que, muitas vezes, são copiadas para as emissoras de tv aberta?!

Posso afirmar com absoluta certeza que me sinto tremendamente insatisfeito com a operadora de TV por assinatura Você TV, que presta serviço pra mim. Ela não oferece os canais básicos, gratuitos que há em toda operadora que pesquisei. Os canais da TV Câmara, TV Senado, da Assembléia, da Justiça e das TVs Educativas me são negadas como a todo cliente da operadora. Um absurdo. Se elas podem ter esse "direito" de sonegar uma programação de conteúdo nacional, também tenho direito como cidadão exigir que meu parlamentar vote a favor dessa iniciativa.

Se o projeto de Lei 29/2007 for aprovado, não quero ver elas (operadoras de tv por assinatura) correrem fora de suas obrigações como acontece hoje em outras questões.

Veja os links abaixo e fique mais por dentro. Esta é uma luta que deve ser de todos.

-
As mentiras da ABTA (Associação Brasileira de TVs por Assinatura)
-
"Detalhes" podem reduzir impacto das cotas para produção nacional
-
A campanha demagógica
-
As migalhas da TV por assinatura
-
Abismo entre produção independente e emissoras de TV aberta
-

Nenhum comentário: