terça-feira, 21 de outubro de 2008

A integração Sulamericana


Não é possível vivermos isolados. Digo isso não apenas na condição humana, mas como nações. Desde quando os Estados Unidos se alçaram ao status de império, vem construindo mecanismos que garantam seus interesses em qualquer parte do globo. Sua máxima é "dividir para governar". Um exemplo disso atualmente é a maneira como a Colômbia se porta frente aos interesses de integração das nações do sul do continente americano.
Há décadas a Colômbia recebe subsídios para o "combate ao narcotráfico" dos governos americanos. Lê se, nesta situação, a contribuição americana ao combate a guerrilha colombiana (FARCs), na qual lhes imputam a denominação de terroristas, conforme exigência americana e da elite local. Apesar dessa denominação áquela força insurgente não ser consensual nos países vizinhos.

Na contramão dos interesses imperiais dos Estados Unidos, na América do Sul, encontra-se diversos governos alinhados com diretrizes políticas de esquerda, que ao seu modo, se organizam para depender menos do comércio, tecnologia e dinheiro dos Estados Unidos. Dão passos importantes em direção às suas autonomias e a integração regional.
Desde que assumiram seus governos, Luis Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Evo Morales, Nestor Kishtner, agora sua esposa Cristina e Hugo Chavez, este há mais tempo, direcionam seus governos à integração econômica, política e cultural no continente. Há iniciativas também na área de defesa. O restultado dessas iniciativas foi a criação da Unasul. Organismo internacional que se tornará uma zona de livre comércio nesta parte do continente. E para dar sustenção aos projetos de integração foi criado também o Banco do Sul. Instituição financeira criado pelo governo da Venezuela que emprestará dinheiro às nações da América Latina para a construção de programas sociais e de infra-estrutura.

Iniciativas como esta devem ser celebradas e copiadas por outras nações do mundo, a despeito das ingerências que qualquer país do globo possa querer promover. Já que, usando o exemplo americano, optam por se intrometer na auto-determinação dos povos. Postura facilmente identificável observando a história das nossas nações sulamericanas e dos Estados Unidos.
O link abaixo nos remete ao blog de Emir Sader. Nele Sader explica em detalhes a importância do Banco do Sul, frente a crise capitalista que anda a passos largos e a importância da integração política, econômica e cultural, com o apoio financeiro de um banco criado para este fim.

-


-

Nenhum comentário: