quarta-feira, 23 de julho de 2008

A moral burguesa




Enquanto algumas autoridades e/ou personalidades fazem o discurso moralista, geralmente sobre ética, nossa elite reacionária não só faz o mesmo, mas acrescenta em seu comportamento, o ato de julgar aquilo que, convencionou-se, entre eles, do que é 
certo e/ou errado, no que tange ao comportamento humano. Para deixar mais claro vou dar um exemplo de como em situações extremas é possível perceber, mais nitidamente, esse comportamento da moral burguesa em nós.

Já presenciou alguém tendo náuseas, "passando mal" (no jargão popular) e em seguida vomitar? Isso é um comportamento natural, de quem está passando mal. Quanto menor a idade, mais natural vai ser o comportamento de quem estiver passando essa situação exemplificada. Quanto maior a idade da pessoa, mais influência cultural ocorre nas pessoas a ponto de "desviar" a maneira natural de "manifestar" esse impulso.

No caso do "vômito" geralmente a pessoa escolhe um canto ou um local onde possa fazer isso (vomitar) sem trazer tanto incômodo aos outros. Mas nunca veremos uma pessoa puxar a gola de sua camisa, blusa ou camiseta e vomitar dentro dela. Mas, com certeza, já deve ter ouvido falar de histórias cômicas, de adultos que tiveram desarranjos intestinais em lugares públicos e que não 
conseguiram chegar em tempo, para utilizar o sanitário. Com isso acabaram por defecarem em suas roupas. Imaginem, por que será que eles não tiveram a mesma reação de quem tem um mal súbito de náusea/vômito e procurasse um canto qualquer, para excretar o bolo fecal que, violentamente, era empurrado pra fora do reto(gostou dos termos?)?! A resposta é simples; para não deixar a mostra a genitália ou outra parte do corpo que possa gerar pudor. Pois é. Se refletirmos mais; tanto a resposta pra esta questão, como para os termos que utilizamos, para descrever este episódio, nada mais são do que comportamentos conscientes e, muitas das vezes, inconscientes da moral burguesa que há em nós. Uma estupidez sem tamanho. Ainda mais se a reproduzirmos conscientemente.

moral, filosoficamente, é um comportamento que se atribui valores a algo que envolva o universo humano. Você jamais verá alguém condenando moralmente um animal por defecar na rua. É seu comportamento natural. Pode até condenar a situação pela sujeira. Mas não pela moral. Já um ser humano, se fizer isso será condenado pelas duas situações.

moral burguesa esteve mais presente, consolidada no século XIX, onde a sociedade inglesa, que era o império da época, ditava comportamentos que fugiam da naturalidade. “A nova mulher e a moral sexual” de Alexandra Kollontai é um exemplo emblemático de como a sociedade burguesa engessavam os relacionamentos humanos daquela época.

Quanto mais livres desse comportamento estivermos, melhor será nossa condição de homens livres e sintonizados com a naturalidade de um comportamento, que não visa imputar valores superficiais nas atitudes humanas. Nietzsche afirmava que "ao propor como valores a humildade, a utilidade ou a benevolência, na contra mão desse comportamento, a moral burguesa, é própria para espíritos débeis e apagados. Não era própria para homens livres e senhores de si".




Leia mais;




-
A nova mulher e a velha moral burguesa
-
CRÍTICA DA MORAL COMO POLÍTICA EM NIETZSCHE
-
Os valores morais da elite e do povo
-
A moral burguesa (vídeo)
-

Nenhum comentário: