sábado, 19 de abril de 2008

Briga pela audiência


Acredito que poucas pessoas sabem, mas no universo das tvs o destaque vai para duas emissoras; TV Globo e TV Record. Nos bastidores e explícitamente é possível perceber a batalha que se desenrola em torno delas. Tudo por causa da audiência. Acostumada com altos números no IBOPE a Globo nunca teve ameaça direta de suas concorrentes. Até ontem. De algumas semanas pra cá a TV Record tem ficado em primeiro lugar nos pontos que medem audiência. Por horas. Não como era antes, alguns minutinhos e voltava a ficar em segundo. Isso pq há pouco tempo atrás quem era segundo era o SBT, de Sílvio Santos. Que de tanto ficar mudando a programação de sua emissora, mantém-se em terceiro por causa da fidelidade de seus ouvintes acostumados aos vais e véns de sua grade televisiva.


O mais recente episódio de distenção entre as duas emissoras foi o "caso Cabrini", se é que podemos dizer assim. Num lance de oportunidade e talvez, golpe baixo, a emissora do Jardim Botânico no Rio de Janeiro noticiou em primeira página em seus outros veículos de comunicação, a prisão do jornalista Roberto Cabrini. Acusado de porte de entorpecente e tráfico de drogas e que foi recentemente contratato pela TV da Igreja Universal, a peso de ouro, para ter um repórter investigativo de destaque em sua programação.
Nesta briga pela audiência e usando de métodos nada éticos, acabou sobrando para o jornalista.
No blog do Mello essas informações vem com mais detalhes. Acompanhem;

Que os sindicatos de jornalistas do Rio e de São Paulo não têm poder algum,
é fácil comprovar. Bastar assistir ao descalabro que é diariamente publicado
pelos principais veículos para verificar que as Organizações Globo, a Folha, o
Estadão e a Abril não estão nem aí para eles. Agridem os parâmetros mínimos da
profissão, permitem seu aviltamento (com excesso de horas de trabalho, de
atribuições etc) e ainda o xingamento, a ofensa, o achincalhe de colegas por
outros – como acontece na Veja.

Segundo o Azenha, antes da negociação salarial, representantes dos
jornalistas vão até os patrões para saber o que eles pretendem, e levam depois
essa posição para a classe.
Ninguém se insurge nas redações. Só abrem a boca
quando perdem o emprego, como o fez Rodrigo Vianna, ao ser demitido da Globo.
Soltou o verbo e
afirmou
que as matérias sobre Serra e o PSDB nas eleições de 2006 eram dirigidas da ilha
por Ali Kamel
.

Ontem, tivemos a prova de mais uma manifestação do desrespeito à
classe. Roberto Cabrini foi flagrado com papelotes de cocaína em São Paulo. A
notícia foi para a cabeça da primeira página dos principais jornais impressos
das Organizações Globo, os mais vendidos, Extra e Diário de São Paulo.

Cabrini estaria ali se ainda fosse repórter da Globo? Claro que não.
Foi exposto porque agora está na Record, e a Record está dando uma coça na Globo
em São Paulo, quase que diariamente, em vários horários.

Há pouco tempo, o jornal Extra (acho que apenas na internet, não tenho
certeza) publicou uma matéria que mostrava o
diretor
do BBB, Boninho, afirmando que atirava ovos nas “vagabundas”
(prostitutas),
para se divertir, quando estava em São Paulo.

A Rede Globo de TV se insurgiu contra o Extra e proibiu que seus
contratados falassem com o jornal, até que tudo se esclarecesse – ou seja, até
que o Extra se comprometesse a nunca mais fazer esse tipo de coisa com uma
estrela da TV Globo.

Mas da Record pode. Ou deve. Sob o silêncio cúmplice de seus colegas de
profissão, que apenas dizem defender seus empregos. No que eu acredito. Mas, que
tal na próxima eleição do sindicato lutar para eleger nomes representativos, que
peitem as emissoras?

Dizer que são grupos poderosos, é bobagem. GM, Ford, Volkswagen, Fiat,
Mercedes, também o são, e tiveram que negociar olho no olho com um sindicato
forte, que teve à frente um certo Luís Inácio, conhecido como Lula, que hoje é
presidente do Brasil.

Jornalistas, antes de dormir, adotem como mantra uma citação de
Torquato Neto, que dizia:
Levem um homem e um boi ao matadouro. O que berrar
primeiro é o homem. Ainda que seja o boi.

Nenhum comentário: